terça-feira, 30 de julho de 2013

Menos cristianISMO... por favor; Mais cristanDADE

 Há algum tempo me sinto incomodada com o cenário evangélico no Brasil.
Sou filha de uma família tradicionalmente evangélica. O que equivale a dizer que, não ser evangélico é algo estranho entre meus familiares.
Honestamente, acho que para mim foi perfeito. Sim, há coisas com as quais discordo e penso terem sido desnecessárias. Sim houve, e como houve... Mas também tive a oportunidade de conhecer outras alternativas e nenhuma delas pareceu-me mais conveniente.

A formação cristã permitiu-me passar por muitas experiências e retirar delas o que achei de melhor. A fé, que tenho, com certeza é uma herança, como pesquisadora no campo do discurso reconheço isso. Afinal, aos estudar os discursos político e religioso e a relação entre os dois tirou-me a bênção da ignorância, mas trouxe também compreensão e aceitação do que sou realmente.

Entretanto, enquanto ponho hoje a religião sobre inúmeros crivos e a testo e contesto, a minha fé/crença não sofre abalos. O que muda são conceitos, opiniões e até alguns valores são repensados, mas a tal da fé, permanece. Fé é mesmo uma questão de fé...

E talvez pelo fato de ter aprendido a discriminar o que é fé e o que é religião eu fique tão irritada com o que se anda fazendo e dizendo em nome da fé cristã, como se todo cristão fosse conivente aos atentados à vida.
Sim, porque o que se anda fazendo por aí em nome de Deus são atrocidades.

Qualquer atitude que se afaste do amor não pode ser cristã, pois é totalmente contraproducente. Eu dei uma sapeada por aí e em menos de três minutos recuperei os seguintes versículos:

1 João 4.7-8; 20-21 -
"
7. Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e todo o que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.

8. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.
[...]
12. Ninguém jamais viu a Deus. Se nos amarmos mutuamente, Deus permanece em nós e o seu amor em nós é perfeito.
[...]
20. Se alguém disser: Amo a Deus, mas odeia seu irmão, é mentiroso. Porque aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a quem não vê.

21. Temos de Deus este mandamento: o que amar a Deus, ame também a seu irmão."


“O meu mandamento é este, que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei” (João 15:12).

"Já que tendes purificado as vossas almas na obediência à verdade, que leva ao amor fraternal não fingido, de coração amai-vos ardentemente uns aos outros, (IPedro 1:22)"
.....


São tantas passagens, tão claras, tão diretas. Qualquer ser humano com o mínimo de razoabilidade é capaz de entender qual é a essência do evangelho e por conseguinte no que se baseia o cristianismo. Você não precisa crer para entender, não precisa professar nenhuma fé para entender o que diz tão claramente os textos. O que não dá mesmo para entender é como pessoas que vivem entupindo os olhos de tanto ler a bíblia podem ser tão tacanhas. A estupidez falada e cometida por muitos que se dizem cristãos é o pior dos venenos.
A pior das mentiras.
Talvez  o problema resida na substituição que as pessoas fazem de sua fé por uma filiação religiosa. Essa substituição mina o que deveria ser mais puro no ser humano, ela faz com que os mais preciosos valores se corrompam e, de repente, vemos a cobiça no lugar do desprendimento, a ambição no lugar da servilidade  a soberba no lugar da humildade. Vemos a pregação do ódio e da discriminação travestidas de purismo suplantar o que deveria ser a identidade de qualquer cristão - a vivência diária do amor.

Esse mesmo Jesus, utilizado como escudo nas mais estapafúrdias declarações, não se preocupou com a cor, com a etnia. Não há registro que lhe mostre falando sobre sexualidade, tampouco condenando um ou outro, pelo contrário. O que Cristo disse é que amemos, eu desafio alguém a me apontar alguma ação de Jesus que balize posturas nojentas vomitadas por pessoas como esses "pop stars" do evangelho.
Aliás, evangelho coisa nenhuma.

Jesus foi uma ameaça porque falava da única coisa que pode libertar uma vida que é o amor. Toda a sua mensagem se ampara no fato de que Deus é amor. Eu fico triste quase doente quando o que mais se vê é um trabalho incansável em desdizer tudo o que Cristo ensina sobre Deus e seu amor.

Eu não tiro a razão quando algum amigo ateu prefere não crer em nada a crer no ser mesquinho, pequeno e condicional que muitas vezes os adeptos ao cristianismo pintam.
Talvez, o mundo nunca precisou menos do cristianismo e nunca precisou tanto de cristandade.
Urge que os cristãos voltem-se mais a Cristo e menos aos rótulos. Nunca precisou-se tanto reaprender.
Em todo o tempo Jesus falou que para estarmos com Deus temos de estar no amor, porque Deus é amor. Sua última palavra foi que deveríamos ir até os confins do mundo anunciar as boas-novas do evangelho.

Que boas novas? Você pode me perguntar.
De que Deus amou o mundo de tal maneira , a ponto de enviar o seu filho para morrer em seu lugar.

O desejo de Cristo resume-se em espalhar e tornar conhecido o seu amor. Cristo ama as pessoas, ele se importa com as pessoas e não com suas bandeiras. Ele quis que sua mensagem chegasse a todos para que TODOS sem exceção tivesse acesso ao seu amor.  É essa é a mensagem do evangelho.

Você pode não crer nisso. Tudo bem, fé é algo totalmente pessoal; e este texto não se pretende a uma catequese. Mas, independente de crer ou não é uma história linda de desprendimento de humildade.
Se não servir como fé serve como bom ensinamento.

Ainda que horríveis atrocidades tenham sido cometidas em nome de uma fé, não se pode achar que, de fato, essa fé justifica o erro. Porque na verdade muito do que se fez e ainda se faz é na verdade em favor de um religião, de dogmas, de rótulos. E você pode ser adepto de uma religião de um clã ou o que quer que seja e não ser de fato comprometido com a sua essência.

Acontece que, se eu jogar uma pessoa pela janela utilizando a máxima de que ela não pode ocupar  o mesmo espaço que eu, você não vai dizer que o problema é a lei de Newton, vai? Nesse caso, ficaria nítido que, ou eu seria muito estúpida ou muito louca.

Pois bem, são assim. loucos, estúpidos aqueles que se dizem cristãos e se abdicam do amor a favor de tantas doutrinas e dogmas e dizendo fazer isso em nome da fé. MENTIRA!!!! Fazem em nome do que acreditam que seja a sua fé. Amam mais as suas leis, sua vaidades e pequenas esferas de poder que o próximo. Não amam, porque não conhecem o amor. Não conhecem  Deus.

Conhecem os livros da lei, conhecem as exortações de Paulo, sabem tudo sobre admoestações, e giram como peões em torno delas. Tão apaixonados por suas doutrinas esquecem de amar, de se compadecer do seu vizinho viciado, do mendigo na esquina, da prostituta, do menor em situação de risco... "Afinal suas ações os levaram a essa situação..." E porque amam mais a lei, a clareza sobre as consequências abafam as piedades. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário